Empresas devem abandonar Home Office no pós-pandemia – OMES
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Home Office

No início do ano várias autoridades adotaram medidas com a intenção de conter a disseminação do coronavírus, assim, com a implementação do isolamento social várias empresas decidiram mudar suas diretrizes para a execução do trabalho remoto por seu funcionários, o Home Office, contudo, as empresas alegam que devem abandonar Home Office no pós-pandemia.

PUBLICIDADE

Assim, quase 94% das empresas brasileiras, segundo pesquisa da FIA; afirmaram que conseguiram atingir ou superaram as expectativas quanto a produtividade desenvolvida por seus funcionário com a modalidade home office.

Contudo, o percentual de 70% projeta o encerramento na prática ou mesmo a redução em no máximo de 25% dos funcionários que já ocupam a modalidade no pós-pandemia, no questionário respondido por mais de 139 empresas brasileiras de grande, médio e pequeno porte.

PUBLICIDADE

Dessa forma, a suspensão ou mesmo redução do teletrabalho informada pela pesquisa da FIA respondido pelo patrão, discorda diretamente com outra pesquisa efetuada com os trabalhadores, também, realizada pela FIA, que apontou o percentual de 70% dos profissionais que se mantiveram nesse período em regime de teletrabalho disseram optar pela permanecia da regime de forma integral ou parcial.

Quais os impedimentos para o recuso do empregador para manter o regime de Home Office no pós-pandemia?

Segundo os dados da pesquisa os empregadores relatam vários motivos para a redução ou mesmo extinção, por algumas empresas, do regime trabalhista na categoria teletrabalho.

PUBLICIDADE

Assim, iremos pontuar quais as principais indicações dos empregadores para suspender o regime, veja abaixo:

O aumento no risco de processos trabalhistas

A maioria dos empregadores relatarão a preocupação com o novo formato em Home Office, a relutância pode explicar o porquê as empresas não assumirem os custos inesperados e os riscos trabalhistas gerados na implementação do regime de forma brusca e imposta pela Covid-19.
Dessa forma, outra pesquisa, também, projetada pela FIA ainda no final do ano de 2019 demonstrava que o mercado empresarial brasileiro tinha como estratégia a implementação do regime, contudo, o percentual era de apenas 32%, isso para empresas com mais de cem funcionários.

PUBLICIDADE
Home Office

Os riscos de reembolso pelos valores custeados pelos trabalhadores

Contudo, apenas 10% das empresas entrevistada assumiram os custos dessa mudança como aqueles com a internet utilizada pelos funcionários, assim, segundo os especialistas, os custos gerados pelo trabalhador poderiam representar um risco jurídico; seja quando ao limite de funcionários e ainda a cobrar dos aluguéis de suas casas.

PUBLICIDADE

Por fim, os especialistas alegam que migrar 100% da mão de obra para a modalidade de teletrabalho e fechar os escritórios, não é a melhor alternativa, ainda que houvesse uma redução de custo, isso poderia causar um custo adicional as empresas gerando multas contratuais e reembolso dos gastos por seus funcionários para implementação do regime.

Então qual a melhor solução para o problema?

Não existe uma fórmula mágica aplicada ao caso de maneira geral; sendo os especialistas, na verdade, para cada empresa existe uma regra a ser aplicada e um percentual, dessa forma, iremos demonstrar quais as soluções intermediarias.

Solução intermediária

Alguns especialistas afirmam que cerca de 80% dos trabalhadores relataram que o desejo de uma maior flexibilidade para trabalhar, inclusive em casa, contudo, demonstram querer um escritório para visitar ou efetivar seu trabalho por acharem importante.

PUBLICIDADE

Já para outros especialistas em RH essa transição – teletrabalho e pandemia é irreversível, já que vivemos um novo marco na história mundial, isso porque, as pessoas aprenderam a valorizar outras coisas além do trabalho e quando isso acontece o valor sobre a cultura muda.

Qual a nova realidade para as empresas no pós-pandemia?

Várias empresas apostam positivamente com a implementação do Home Office, empresas como a XP Investimentos, anunciou que inaugurará um espaço de reuniões no interior de São Paulo; e São Roque, para que seus funcionários possam trabalhar de qualquer lugar.

Assim, deverá fechar quase oito andares ocupados pela empresa com seus escritórios na Av. Paulista, isso deverá ocorrer até o final de 2021, a exemplo da XP Investimentos várias empresas de pequeno porte conseguiram migrar cerca de 52% de seus funcionários para a modalidade Home Office.

PUBLICIDADE

Contudo, as grandes e médias empresas não conseguiram atingir sequer o percentual de 40% dessa migração, ou seja, demonstraram uma relutância quanto a adoção do novo modelo de mercado trabalhista.

Porém, cerca de 67% dessas empresas afirmaram encontrar dificuldades para efetivar a transição para o modelo de teletrabalho, como os principais problemas citados na pesquisas elas alegaram: acesso remoto aos documentos e sistemas em particular de cada companhia (isso foi alegado por 34%) outro ponto relatado foi o comportamento dos funcionários nos ambientes virtuais de comunicação e, por fim, a capacidade de cada uma delas para constituir uma infraestrutura de TI para adequar ao Home Office (apontou 28%) e a qualidade da internet na casa dos empregados (representou 11%).

Write A Comment

dezenove + doze =